Deusas: Vênus de Willendorf

Por Thays Prado

Imagem: eternalsymbols

 

Em tempos contraditórios de culto à magreza e ao silicone, ouso evocar Vênus de Willendorf, com seus seios, barriga, quadril, vulva e nádegas avantajados e os sete círculos concêntricos na cabeça. Uma representação paleolítica (data de algo entre 24 mil e 22 mil anos a.C) da Grande Mãe.

De acordo com pesquisadores, a estatueta de 11 cm de altura nunca teve pés – era feita para ser levada na palma das mãos, como uma espécie de amuleto. Foi descoberta no início do século 20, a 30 metros do rio Danúbio, no vilarejo austríaco de Willendorf. O fato de ser talhada em uma pedra vermelha incomum na região, conhecida como oolítico, pode ser um indício de que povos nômades, caçadores e coletores, a carregavam consigo. Atualmente, a Vênus de Willendorf original se encontra no Museu de História Natural de Viena.

É interessante observar que, por mais que o estilo de vida da Idade da Pedra Lascada devesse levar homens e mulheres a serem magros e a terem a musculatura bem desenvolvida, a Grande Deusa tem seus contornos femininos salientados, uma forma de demonstrar a prosperidade, a abundância e a fertilidade atribuídas a Ela.

Segundo “O Livro das Deusas” (Ed. Publifolha), do grupo Rodas da Lua, a deusa é a representação de “uma sociedade equilibrada, centrada na Terra, livre de disputas, com notável criatividade e que se maravilhava com os eventos deste mundo”. Em seu corpo abundante, a deusa soberana cria e sustenta o Universo, guardando “a força inseparável da vida, da morte, da regeneração e da renovação”.

Talvez, o maior aprendizado que Vênus de Willendorf traga para nossa sociedade contemporânea seja a possibilidade de ampliar nosso conceito de fertilidade e de nos reconectar de maneira mais forte a esse poder feminino.

Por fertilidade, não devemos entender apenas a possibilidade de gestação de filhos. Somos um terreno fértil para a geração e o desenvolvimento de ideias, projetos e sonhos. Somos capazes, inclusive, de dar à luz a nós mesmas, por meio das constantes transmutações e metamorfoses que se passam conosco durante a vida.

Também é preciso se lembrar de que uma terra fértil não fica fazendo alarde a qualquer hora. É, às vezes, bastante silenciosa, escura e até mesmo enigmática. Quem olha sem prestar muita atenção pode achar que nada está acontecendo ali, mas é só esperar o tempo certo para presenciar, a partir do mistério da terra e da semente, o desabrochar do novo. Ainda é de admirar a incrível capacidade de transformação de tudo aquilo que não a serve mais na forma atual em um adubo riquíssimo para uma nova geração.

Com a fertilidade, aprendemos as sabedorias do oculto, do profundo, do íntimo, da espera consciente e da sustentação de algo que por hora nos é desconhecido, mas em que já confiamos.

Para estimular todas essas qualidades, O Livro das Deusas ensina um ritual que é uma delícia de fazer!

Ritual para o ventre
Em um recipiente de cerâmica, faça uma pasta de argila medicinal e água. Espalhe pelo abdômem até formar uma grossa camada. Deite-se confortavelmente por meia hora e concentre a atenção em seu ventre. Retire a argila com uma toalha úmida e coloque uma pedra ligeiramente aquecida em seu lugar.

Conte pra gente o que você sentiu!

Leia também:
Deusas: o que são, afinal?
Deusas: Ísis
Conheça nossa seção Deusas
Pachamama e o Dia da Mãe Terra
Criadores de nossa própria vida

 



5 Comentários

    A Grande Mãe é retratada no filme O 13º Guerreiro. Ainda que um film de ação, mostra uma passagem verídica e muito interessante de um poeta árabe que foi expulso de sua terra. Ele encontra um grupo de Vikings que estão indo ajudar outros Vikings atacados por uma tribo chamada Wendol. Essa tribo acredita na Grande Mãe.

    O filme é interessante e mostra várias lendas e curiosidades da mitologia nórdica, ou fatos que se transformaram nelas. Pra quem gosta de uma aventura mitológica, com um fundo histórico verídico, é bem divertido.

    Na época deste filme eu pesquisei sobre esta história e o poeta árabe, Ahmed Ibn Fahdlan, vivido no filme por Antonio Banderas, realmente existiu. Em 922, ele realmente encontrou com Vikings e relatou que eles eram brutos, não tinham nenhuma noção e de limpeza mas eram guerreiros fiéis, um povo bélico e alegre, com muitas crendices. Se ele foi guerrear com ele já não sabemos de verdade.

  • A Grande Mãe é retratada no filme O 13º Guerreiro. Ainda que um film de ação, mostra uma passagem verídica e muito interessante de um poeta árabe que foi expulso de sua terra. Ele encontra um grupo de Vikings que estão indo ajudar outros Vikings atacados por uma tribo chamada Wendol. Essa tribo acredita na Grande Mãe.

    O filme é interessante e mostra várias lendas e curiosidades da mitologia nórdica, ou fatos que se transformaram nelas. Pra quem gosta de uma aventura mitológica, com um fundo histórico verídico, é bem divertido.

    Na época deste filme eu pesquisei sobre esta história e o poeta árabe, Ahmed Ibn Fahdlan, vivido no filme por Antonio Banderas, realmente existiu. Em 922, ele realmente encontrou com Vikings e relatou que eles eram brutos, não tinham nenhuma noção e de limpeza mas eram guerreiros fiéis, um povo bélico e alegre, com muitas crendices. Se ele foi guerrear com ele já não sabemos de verdade.

  • Uau que história! Obrigada pela indicação, Stefano. Vou procurar pelo filme :)
    Beijos!

  • gostei desa deusa mae obrigada pela aresposta beijos

  • nao li o texto por isso nao posso dar nenhum cometario mas concordo com os outros a venus de willendorf e muito bonita bem esculpida feita de calcario oolitico descprberta entre 2500 a 2000 a.c. considerada e conhecida como a mukher de willendorf que mede cerca de 11 cm nao tenho nem palavras para dizer como as bvenus sao fantasticas
    AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!! !!!!!!!!!!!!!!!!!!
    VENUS SENSASIONAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAALLLLLLLLLLL!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Deixe uma resposta