As histórias que contamos

historias-xamanismo-POSTPor Thays Prado
Imagem: Vanessa Siqueira + Mio Karo

Este blog ficou alguns meses sem ser atualizado. E ao retomá-lo, nós poderíamos contar diversas histórias para justificar nossa ausência. É claro que não foi uma ausência por pura displicência ou descuido com nossas/os leitoras/es.

Mas o que eu gostaria de propor para esta retomada é justamente o contrário: é não contar a história. Porque, de modo geral, nós, seres humanos, contamos histórias demais para nos manter no mesmo lugar. Histórias que até variam um personagem ou outro, fazem uma mudançazinha de cenário, mas o grosso mesmo da trama é quase sempre o mesmo. Histórias de por que não conseguimos cumprir os prazos, de por que nos esquecemos de tal compromisso/evento, de como alguém foi injusto conosco, de como nossa infância foi dura e de como aquele comportamento de nossa mãe ou de nosso pai fez de nós essas pessoas problemáticas que somos, de como nosso/a chefe não compreende isso ou aquilo… De como se, não fosse por nossa presença, nada disso teria saído assim, de como trabalhamos mais do que todos/as os/as outros/as, de como abrimos mão de algo muito importante só para deixar aquela pessoa feliz… De como tivemos que dar aquela bronca e botar aquela pessoa nos eixos, de como botamos ordem naquele lugar, de como fomos duros com nossos funcionários porque senão já viu… Quantas histórias!

Numa virada de ano, durante uma sauna xamânica, a mestra que conduzia a cerimônia nos convidou a refletir sobre a história que mais vínhamos contando em nossas vidas até então e pediu que cada um/a a contasse ao grupo. Foram muitas histórias suadas juntas ali, durante aquela noite. Histórias tristes, emocionantes, saudosas, engraçadas. Quando todos acabaram de contar, ela nos convidou a entregar aquela história à fogueira que nos aquecia e a nunca mais – nunca mais mesmo – contá-la.

Na hora que ela disse isso, cada um de nós sentiu seu apego particular. E a primeira coisa que eu pensei foi: ainda bem que eu já contei isso para a minha terapeuta! Hahaha. E duvidei que eu pudesse nunca mais contar aquela história, por que ela vinha me acompanhando havia muito tempo… E se você me perguntar que história era eu vou te dizer: eu não me lembro. E não lembro mesmo. Sei que era algo que me mantinha em uma posição de vítima, mas, de verdade, o conteúdo virou cinza naquela fogueira.

Então, o meu convite a você que lê este post é que preste atenção nas histórias que conta com frequência. O que há de comum entre elas? Em que lugar elas te mantêm? No de vítima do mundo, das pessoas e das circunstâncias? Ou talvez no de salvador/a da pátria ou até mesmo da humanidade? O que elas escondem? Seu medo de dizer que errou? Que perdeu? Que desta vez, simplesmente, não deu pra você? Sua insegurança de se mostrar como verdadeiramente é? Suas contradições? Suas fraquezas? Seu brilho? Sua força? Seu autoritarismo?

Que história você ofertaria, hoje, para que o fogo a transmutasse? Para que a terra a decompusesse? Para que o vento a levasse embora? Para que as águas lavassem todo o seu conteúdo? Para que desaparecessem de uma vez, voláteis como o éter?

P. S: Hoje, eu compartilho a alegria de estar de volta a este blog, que me é tão valioso.



2 Comentários

    Da mesma forma, eu passei uma virada de ano no México, em um Temazcal: um iglu construído de terra,o ventre da Mãe Terra. No centro, não tem fogueira, tem pedras ardentes que fazem suar não só as histórias, mas também as peles. Lá, trocamos nossas peles, como as serpentes. Cada quem escolhia que pele queria deixar atrás, e se desfazia dela, trocando-a por uma pele nova, renovada, com a qual sairia de novo para o mundo. Eu também não lembro qual foi a pele que ficou lá, nem lembro, na verdade, qual foi a pele com a qual sai. Mas lembro que sai mais leve e segura. Agora, vou prestar atenção nessa história que conto repetidamente, para deixar de conta-la. E ver se consigo assim trocar de história, trocar de pele de novo. :D

  • 14fobviamente, como joelortega.infoemprendedor.com sin emgrabo es necesario para poner a prueba la ortografc3ada en varios de sus mensajes. Varios de ellos estc3a1n plagados de problemas de ortografc3ada y de que es muy molesto para contar la realidad sin emgrabo, definitivamente voy a volver de nuevo.

Deixe uma resposta