E por falar em Copa…

agressao-copa-futebol-machismo-mulher-violencia-POST
Por Manoella Oliveira

A derrota do Brasil para a Alemanha por 7 a 1 foi o vexame maior da história de todas as Copas do Mundo – não é minha opinião, são dados. Não que eu ligue para futebol, mas fiquei morrendo de dó dos vovôs e das crianças com carinha desconsolados/chorando e achei triste, sim, além de uma vergonha mundial dentro de casa totalmente desnecessária, embora em nenhum momento os alemães tenham feito chacota. Pelo contrário. Estrelinha dourada para os caras.

E acredito (do auge da minha TPM) que nenhuma derrota no futebol vai colocar nosso país nos trilhos. Acho, inclusive, que uma coisa não tem nada a ver com a outra. Sim, muita gente comemorou dizendo “agora vamos acabar com esse mal que futebol faz”. Sim, porque agora que o Brasil perdeu um jogo não tem mais futebol, acabou. Não tem mais Flamengo, Corinthians, torcida, não tem nem mais bola! Aliás, permitam-me dizer que 1. Ainda está tendo Copa 2. O Brasil vai jogar de novo 3. Continuamos sediando o Mundial 4.Vai ter Brasileirão, sim. Então, não me venham com o papo de ok, o Brasil tomou uma goleada então vamos mudar de assunto, agora a gente não gosta mais de Copa, vamos falar dos nossos problemas sociais, vamos levar isso a sério agora porque nos é conveniente. Gente, não. Preocupação sazonal não rola. Que engajamento de oportunidade é esse?

Mas essas derrotas têm, sim, consequências reais em qualquer lugar do mundo, muito embora elas não sejam o engajamento social automático que as pessoas esperam que aconteça/simulam que aconteceu. E uma delas é muito bem ilustrada no vídeo abaixo, baseado em um estudo sobre agressão doméstica durante as últimas três Copas do Mundo, e dá um exemplo de como a violência contra a mulher aumenta especialmente quando acontecem fiascos no futebol. A campanha, da Inglaterra, diz que ninguém torceu tanto quanto as mulheres na Copa porque, no fim das contas, é nelas que as frustrações são descontadas. Quando a Inglaterra ganha, a violência aumenta 26% e quando sai dos jogos, aumenta 38%. O vídeo é muito curto, mas muito impactante – principalmente para as mulheres, acredito eu.



Deixe uma resposta